Este site destina-se a pessoas com idade legal para o consumo de bebidas alcoólicas.
Ao entrar, esta a concordar com os Política de Privacidade e Política de cookies do site.

Produtor

João Mariano, Engº Agrónomo

João Mariano

Engº Agrónomo


A sociedade liderada por João Mariano, Engº Agrónomo (Instituto Superior de Agronomia), iniciou a sua actividade vitivinícola em 2000/2001 com a plantação de vinhas em 3 quintas diferentes quanto aos seus “terroir” (solo, clima e ambiente envolvente), totalizando 21,5 hectares. João Mariano tem dedicado toda a sua vida profissional á Agricultura Algarvia, nomeadamente á Irrigação, com pós-graduação em Israel, á Fruticultura de regadio e nos últimos 20 anos à Vitivinicultura, com especialização em Viticultura e Enologia em Climas Quentes, obtido em Jerez de la Frontera.

O objetivo inicial da empresa foi a produção de uvas para fornecer às Adegas Cooperativas de Lagoa e Lagos. Recorreu-se a material vegetal certificado tanto nas castas nacionais como nas importadas de França, Petit Verdot, Syrah, Alicante Bouchet e "Aragonez " (Tinta Roriz) tendo selecionado os clones qualitativos em detrimento dos produtivos. Face às dificuldades económicas destas cooperativas teve de tomar um novo rumo e começar a produzir vinhos de qualidade (Vinhos de Quinta) numa região ancestralmente ligada á vinha e ao vinho mas que perdeu competitividade a partir de 1990.

Em 2015 começou a explorar vinhas antigas, quase abandonadas, com as castas tradicionais do Algarve, Negra Mole (autóctone), Castelão e Crato Branco (Síria) plantadas em solos arenosos. A vinha de Negra Mole foi plantada em 1942, em pé franco. Os primeiros vinhos tintos (5000 litros), produzidos em adega emprestada, e saíram para o mercado em 2005.

Nos finais de 1900 inícios de 2000 os vinhos brancos quase não tinham valor em Portugal, pelo que optou por plantar sómente castas tintas. Mais tarde o mercado começou a consumir rosés e brancos e então teve de adaptar a exploração, com sobreenxertias, com castas brancas nacionais Viosinho, Arinto, Sercial, Verdelho, Rabigato e Códega do Larinho. Também a adega foi evoluindo em área, depósitos e maquinaria, tendo hoje uma capacidade para 300 mil litros. A exploração agrícola actual comporta cerca de 22,5 hectares de vinha para vinho e 4,5 hectares de citrinos.